22 de dez de 2014

DUAS ARARINHAS-AZUIS NASCEM NO BRASIL

Depois de 14 anos consideradas extintas no Brasil, duas ararinhas-azuis nasceram, no interior de São Paulo. Os filhotes nasceram há aproximadamente dois meses, pesando cerca de 15 gramas, mas já ganharam peso e penas.

O nascimento foi possível graças a ação de instituições nacionais e da Alemanha e Catar, que fazem parte do Projeto Ararinha na Natureza, coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 

A espécie era encontrada apenas na Caatinga, em Curaçá, e mesmo com predadores naturais como gaviões e com a constante disputa com abelhas pelo oco das árvores (onde fazem seus ninhos) foi por causa do tráfico que começaram a sumir da natureza.

Atualmente 90 arararinhas vivem em cativeiro - sendo 70 no Catar, 9 na Alemanha e 11 no criadoruro científico no interior Paulista. Nest, o instituto brasileiro que cuida da espécie em território nacional, não divulga o endereço, para não chamar a atenção de traficantes e caçadores da ave. As entedidades responsáveis pela espécie no mundo se comunicam e realizam trocam as ararinhas, mapeadas geneticamente, para evitar a consanguinidade e ajudar na sobrevivência da espécie. Para que reproduzam, no entanto, é necessário o entendimento entre macho e fêmea, uma vez que a monogamia é uma característica da espécie.

A previsão do projeto Ararinha é que em 2021 as aves possam ser reintegradas à natureza e, para isso, precisam ter 20 ararinhas com um ano de vida. Até lá, um trabalho de conscientização está sendo realizado em Curaçá, onde as aves devem ser reintroduzidas.  

3 comentários:

  1. Sonho com esta reintegração. Uma das minhas tatuagens é a Ararinha azul. E como descendente da Fazenda Cabaceira e apaixonado pela Caatinga,manterei o bioma intacto para receber de volta estas nossas aves irmãs.

    ResponderExcluir
  2. Saudações Nilton! Afim de conhecer melhor o projeto ararinha e a composição de caatinga de Curaçá, podemos nos contatar? José Lenes; ativista ambiental em São Bernardo do Campo-SP e ferrenho defensor da Mata Atlântica e suas espécies de avifauna nativas. Joselenes Sousa Santos no Faacebook e por email: leneskardera@ig.com.br

    ResponderExcluir
  3. @niltonssilva ...Mentiroso primeiro que não pertence a Fazenda Cabaceira pois não é digno, segundo que sempre foi um covarde nunca teve coragem de fazer uma tatuagem, terceiro que nascido em salvador, criado em Uruçui uma parte da vida e hoje policial militar na cidade de conceição do coite e reside na região de bandiaçu, nunca fez um nada em curaçá á não ser deixar um rastro de decepção e muita tristeza nas pessoas no qual confiaram e acreditaram em suas doces palavras. Um ser totalmente ludibriador de sentimentos alheios. É indubitavelmente covarde em tudo que faz e faz, NÃO MERECE NEM AO MENOS SITAR O NOME SAGRADO DA CIDADE DE CURAÇÁ, Conheceu a cidade nas ruas principais numa viagem de 1 dia. Covarde em tudo que faz, só presta mesmo para ser uma roupa... Limpe sua boca para falar da cidade de meu pai...

    ResponderExcluir